Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Dar vida ao sonho

por Carlos, em 16.01.18

O segredo é a alma do negócio! Este é um provérbio Português bem antigo, como antigo é este meu sonho!
Cansado de esperar por um emprego\trabalho, estou a tentar arregaçar as mangas e lutar pelo meu próprio lugar ao sol.
Sou novo e se tenho e posso arriscar, tem de ser agora e não amanhã!
Por agora um passo de cada vez, pesquisar, perguntar, reunir, escolher, perceber e sobretudo ver. 
Então depois sim, avançar.
Mas sim, neste momento eu sinto-me, a dar vida ao meu sonho!

00019k3g.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

restaurante-locanda.jpg

 

A primeira e última vez que lá fui, tem cerca de 5 a 6 anos! A convite de uns amigos que leram na Time Out sobre os melhores locais para comer esta iguaria pela cidade e arredores do Porto, verificaram que o restaurante Locanda em Canelas, Vila Nova de Gaia estava muito bem posicionado no ranking descrito na revista!
Num dia de verão lá fomos nós...
Lembro-me na altura ter ficado cerca de hora e meia à espera no exterior, para que nos arranjassem mesa! Pleno mês de Agosto não é fácil jantar seja onde for, ainda mais quando a casa tem fama pelo bem servir!
Assim que entramos, pedimos um pão de alho para os 7, precisávamos de enganar a fome enquanto esperávamos pela especialidade da casa...
Cozinhada na hora em forno a lenha, ao fim de algum tempo de espera lá vimos surgir a famosa da Francesinha!
Aqui me confesso um grande amante desta que é a iguaria mais famosa do Porto, mesmo não sendo muito esquisito, considerei aquela que lá jantei, a melhor das melhores que alguma vez comi! O molho tão bom, o queijo derretido já ligeiramente tostado pelo forno, bem é de salivar...
"Vá Carlos, não comeces já com desejos!"
Não, não começo até porque este sábado repetimos a experiência com uns tios do meu menino!
E posso vos dizer que passados estes anos, a experiência de agora não desfraudou as expectativas e por ser Inverno (talvez) arranjamos logo mesa, apesar de estarem com o restaurante cheio! Adoramos e ficamos muito contentes pelos tios dele, que não conheciam, terem adorado também!
Este não é de todo um texto publicitário com segundos interesesses ou rendimentos extra, não alinho nisso! Este é apenas um texto, onde me apetece dar-vos a conhecer uma excelente casa para degustarem a verdadeira da Francesinha!
Até porque, existem outras casas onde também adorei comer uma!
Começo a achar também que quando estou com fome, é quando elas me sabem melhor!
Os nortenhos que por aqui andam que se acusem, de onde é a vossa francesinha preferida?
E mais para o centro e sul? Tem alguma experiência para partilhar?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Eu nunca...

por Carlos, em 13.01.18

52.0.JPGDesafio das 52 semanas \\ Semana 2

tag-eu-nunca1.png

Eu nunca...
O nunca por si só leva-me ao que eu nunca fiz e não ao que eu nunca hei-de fazer, isto porque não sei o futuro nem sequer se alguns dos meus neurónios se desligam entretanto e desato por aí a fazer as maiores infantilidades!
Olhando o meu passado, até há um minuto atrás, são imensas as coisas que eu nunca fiz, nunca disse, nunca senti!
Eu nunca matei ninguém, se bem que ao longo da vida certas pessoas que se atravessaram no meu caminho mereciam assim uma cabeçada à mestre! Mas, calma, não sou assim tão violento e a meu ver, ninguém tem o direito de tirar a vida a alguém de forma premeditata, se bem que às vezes os acidentes acontecem... 
Eu nunca fui operado, felizmente, nunca precisei de nenhuma intervenção cirúrgica!
Eu nunca estive em coma, e não tenho curiosidade!
Eu nunca desmaiei, verdade, nunca me deu um peripaco que culminasse em desmaio, se bem que já tive um pico de tensão alta que me desorientou!
Já levei anestesias locais, mas geral nunca, portanto não sei o que é estar assim acordado e de repente, ploc, faz-se noite! Deve ser engraçado, mas tão cedo não quero ter noção real disso!
Eu nunca, me envolvi sexualmente com uma mulher, verdade, vá tentei uma vez, mas o soutien estava tão bem apertado que não deu mais! Eu sei, a culpa foi mesmo do soutien! Senão não era gay!  (Eu não disse isto, pois não!!!)
O eu nunca daria para inúmeras situações, nunca fui ao Brasil (mas gostava!), nunca fiz um cruzeiro (mas gostava!), nunca tentei o suícidio (desta não gostava de todo!), entre outras coisas!
Talvez o mais importante e que não quero de todo esquecer ou até que venha a acontecer, eu nunca deixei de amar os meus, a minha família! Dificilmente encontraremos alguém que tal tenha acontecido, pois por muita mágoa que algumas pessoas possam ter, o amor continua lá!
E depois dos acontecimentos recentes, a menos que a memória me traia, eu nunca esquecerei a minha Yra!
Agora eu sei, 'eu nunca', amanhã não sei...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


A minha patinhas fofas...

por Carlos, em 12.01.18

26731558_10210301623089421_8005535886323443844_n.j
O dia já não me corria bem, por vezes somos assolados por pensamentos vazios que nos deixam assim! Tristes, desamparados, sem rumo...de resto é possível comprovar isso com o meu post anterior! Contudo o pior ainda estava para vir...
Tirei esta foto por estes dias, achei piada a Yra enrolada sobre ela própria com a cabeça apoiada no meu braço, nunca a vi assim e resolvi registar o momento, mal sabia eu que seria a última fotografia que lhe tirava!
Ontem, apesar de me sentir em baixo, recusei os conselhos para sair de casa e tal igual aos outros dias deixei-me estar prostrado no sofá, vendo televisão, consultando alguns sites de emprego e outros de alugueres de espaços!
Começou um filme interessante no Hollywwod, fechei o computador e estava atento!
A Yra como sempre, procurou-me e deitou-se sobre o cobertor que me cobria os pés! Durante o dia ainda brinquei com ela, sempre gostei de a provocar e ela sempre gostou de 'atacar' os meus pés ou mãos enquanto se mexiam por debaixo do cobertor! Apesar de adulta, ainda brincava muito!
Até que...
De repente vejo-a a dar um salto, a cair por cima do braço do sofá e vejo-a cair no chão! Naquele instante percebi que não tinha sido apenas um susto, pois não correu dali para fora como habitualmente fazia! Vejo-a a dar umas cambalhotas e a embater com a cabeça na perna da mesa de jantar, acabando por se imobilizar debaixo da mesma! Ouvi dois miares muito baixinhos, enquanto abria a boca e fechava por diversas vezes! 
Assustado liguei para uma irmã, queria chamar um veterinário, entrei em pânico, não sabia o que fazer.
Momentos depois abeirei-me dela e já não respirava!
A minha Yra morreu!
Não acredito que a criei com tanto amor e carinho ao longo de 8 anos a minha patinhas fofas, para num minuto partir! Ficamos sem a nossa princesa, a nossa companhia, a nossa amiga! 
Não consegui chorar no momento, fiquei incrédulo.
A minha irmã ajudou-me, levamo-la para casa da minha mãe e aí tratamos do resto!
O pior veio depois, assim que o meu menino saiu do trabalho e me deu boleia, não consegui aguentar o silêncio que se criou dentro do carro! Chorei com pena, chorei com tristeza, não vou mais ver a minha Yra!
Ao entrar em casa, novamente a falta dela, o silêncio, o ninho vazio, vai fazer-me (nos) tanta falta!
Hoje tenho de arrumar as coisas dela, coragem, preciso de coragem!
Ainda dizem que não é amor o que sentimos pelos nossos amigos patudos?

"Nunca mais te vou esquecer minha patinhas fofas!
Até sempre minha amiga Yra!"

(À Happy as minhas desculpas por hoje não escrever como prometido a resposta à 2ª pergunta do Desafio das 52 Semanas. Publicarei amanhã!)

Autoria e outros dados (tags, etc)


Aquele dia...

por Carlos, em 11.01.18

Sabem, aquele dia em que:
Não sabemos se é sim, se é não!
Não sabemos se é para a direita ou para a esquerda!
Ou até para a frente ou para trás!
Se é branco, se é preto!
Nem sequer sabemos se tem cor...
Sabem, aquele dia em que simplesmente nos sentimos um zero,
Um nada, um número apenas...
Sem apoio, sem recursos!
Sem rumo!
Sabem aquele dia, 
Que nem sequer deveria existir?
Pronto, esse dia é hoje!
Sinto-me assim...

estou-me-sentindo-perdido-o-que-fazer.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Cenas de um funeral

por Carlos, em 10.01.18

cruz_20160914_pf.jpg

A notícia não me apanhou de surpresa, contudo é sempre um arrepio quando somos confrontados com a morte, mesmo que não seja no nosso núcleo familiar!

Foi a mãe de uma grande amiga minha, a Dona... por quem sempre senti um grande carinho e respeito, mas quis a doença aparecer e em poucos meses ceifar-lhe a vida.
Pensei para mim, como não poderia estar no velório, no dia do funeral apareço mais cedo, pela hora de almoço e como não deve estar muita gente consigo conversar com a minha amiga e espero com ela pela hora do funeral! E assim foi...
Não tinha realmente muita gente e consegui dar-lhe um enorme e sentido abraço, garantindo-lhe que estarei sempre aqui para o que ela precisar, contudo creio que naquele momento qualquer silêncio meu significaria a mesma coisa visto ela ter sentido num simples abraço todo o meu apoio e compreensão nesta hora difícil!
Com o aproximar da hora do funeral afastei-me e deixei que aquele momento fosse vivido em família e eis então que começam as cenas de um funeral onde nitidamente muitos não se estavam a enquadrar.
Na sala da capela onde o corpo estava a ser velado, avisto os filhos abraçados, tristes, desconsolados, ao mesmo tempo que toda a gente que rodeava o espaço mais parecia estar no café da esquina em amena cavaqueira enquanto se toma um café! A sério? Respeito, meus senhores, mais respeito... Nem com a chegada do pároco as pessoas entenderam que o momento seria de silêncio levando a que o agente funerário intervisse de forma eficaz! 
As pessoas banalizam os momentos e pior, perdem o respeito pela dor dos familiares!
Após o levantamento do corpo, dirigimos-nos à igreja.
Iniciadas as cerimónias funebres consigo perceber que o pároco habitual havia sido substituído por outro e eis que começa o segundo momento irrisório! Uma missa que a certo momento me questionei se não seria uma cena da IRUD com o padre aos pulos, ou alguma palestra sobre como virar as costas à dor! Naquela hora, instantes houve que a cara de espanto dos presentes era notória com as 'bacoradas' que o padre ousava dizer! 
"Vamos sorrir, não é tempo de lágrimas!" "Esta é a nossa única certeza, todos teremos o mesmo destino!" "Vamos nos encontrar todos um dia destes lá em cima e fazer uma festa!" E entre saltos e perguntas do estilo, estou certo ou errado, esperava que todos respondessemos em uníssono...SIM!!!
Eu estava incrédulo!
Um amigo meu que assistia, apenas me disse ser uma perspectiva diferente da morte, eu respondi, para nós até podemos entender, mas ele não está a respeitar a dor da família!
Acreditando que nada mais me fosse deixar de boca aberta, o pároco sai-se com uma verdadeira pérola...
"Ainda há uns tempos comentei, vamos todos, o rico e o pobre, o dono do Continente também não foi?"
Neste momento caiu-me tudo, o homem não pode estar bem!
Ainda pensei que estivesse bêbado pois a cada passo dizia o servo ao invés de serva, contudo corrigia-se imediatamente!
Eu acho que assim conseguem chamar os fiéis à igreja, pois de caminho tiram o lugar aos humoristas do Stand Up Comedy!
No fim, após o enterro, mais um abraço e a promessa de sermos mais presentes na vida uns dos outros, não dando como desculpa a rotina para as nossas ausências!
Até sempre Dona...

Autoria e outros dados (tags, etc)


O fim das festas

por Carlos, em 09.01.18

20180107_161454.jpgVá, quem tem filhos por aí? Com idade para efusivamente ajudarem a montar a àrvore de natal com todos os seus enfeites?
Agora respondam-me, quantos deles ajudam a desmontar a decoração depois das festas?
E vocês? Qual é o vosso ânimo?
Escrevi no início de Dezembro o quanto me custou, sozinho, ir à garagem buscar toda a decoração para a época festiva, depois o meu menino ajudou a decorar! Mas e agora quem desmontou e arrumou tudo sozinho, quem foi?
Eu pois claro...
É engraçado como no início a magia nos envolve e aquece até a alma e fazemos a decoração com todo o ânimo e mais algum em contrapartida no final das festas só não atiramos a àrvore pela janela porque parece mal e os vizinhos iriam chamar de imediato a ala psiquiatrica do Magalhães Lemos!
Mas pronto, por agora está arrumada, contudo já sei que daqui a 326 dias, ou seja 46 semanas e cinco dias,melhor ainda, daqui a dez meses e 23 dias estarei eu de novo a repetir a dose e a trazer tudo de volta da garagem para o 2º andar!
Eu sei, faz parte...

Autoria e outros dados (tags, etc)


Chamo-me Carlos

por Carlos, em 08.01.18

26066309_324906654659703_7257820201331195904_n.jpgCristina Ferreira, apresentadora e empresária de sucesso, sobejamente conhecida e reconhecida pelo excelente trabalho e apostas televisivas e não só, que tem feito no nosso país, chegou, ganhou e ainda tem o prazer de marcar a diferença com a polémica! Está-lhe no sangue, acredito, este gosto de colocar as pessoas a pensar, de convidar as pessoas a colocarem-se no mais difícil dos papeis e daí tirarem conclusões! 
E como é que ela faz isso, perguntam vocês?!
Através da revista que lançou a nome próprio em meados de 2015!
Daí para cá, todas as capas da referida publicação tem o seu qb de mistério, sensualismo, choque e até de polémica como aquela que saíu para as bancas este mês!
Como a própria refere e bem, "a polémica só existe quando o tema incomoda"! Dito isto, só me apraz dizer que ela gosta de abanar mentalidades.
Os tempos são de mudança, afirma a própria, é tempo de levantar questões e sobretudo ir de encontro às maiorias instaladas!
Ter noção que nem sempre as maiorias são o modelo ideal a seguir e o que verdadeiramente nos faz feliz, pode trazer dissabores e bastante sofrimento e a partir daqui começa a história do Tiago, ou de Stefani Duver como gosta de ser reconhecida enquanto Drag Queen residente do bar Finalmente em Lisboa! Este mês, ele é a capa da revista Cristina!
Numa entrevista intimista, ilustrada e bem por uma sessão fotográfica que sem rodeios expõe o gosto de Tiago em vestir-se de mulher o próprio, filho de um farmacêutico e de uma funcionária da Assembleia da República, assume a homossexualidade e que aquilo que o mais deixa feliz é subir acima de um palco e desempenhar um dos seus números! A luta deste criança contra o preconceito, pois desde sempre ostentava uma imagem androgena que despertava a curiosidade, a dúvida e a chacota, o percurso escolar onde a crueldade das crianças conseguia ser atroz até à realidade da muita família, irmãos inclusivé e amigos que lhe viraram as costas, consegue nos facultar a ideia de quão mesquinhas as pessoas conseguem ser! Felizmente teve um pai, que apesar de demorar, conseguiu aceitar e apoiar e uma mãe que desde cedo soube que aquele filho único,era diferente pela maneira de ser, estar e sobretudo quando já adolescente, a maquilhagem e os vestidos lhe desapareciam lá de casa!
Esta mãe escreve uma carta emotiva ao filho, consta da revista, e revela todo este percurso desde muito novo, do Tiago, o menino que gostava de brincar com bonecas e que na escola não queria jogar à bola! Hoje, a mãe é a melhor amiga do Tiago!
Porque para mim amar um filho é isto, apoiar no caminho e nas escolhas que se fazem ao longo da vida!
Mais uma vez Cristina Ferreira tráz à capa da sua revista a diferença, assim como fez com o beijo gay numa edição passada!
A mensagem no fundo é dar a conhecer a vida por detrás do estereótipo, como que a pedir respeito pela diferença!
Esta é a história do Tiago, drag queen, homossexual que gosta de subir ao palco vestido de mulher!
Podia muito bem ser a história de outro alguém, homossexual, que namora com um homem há dez anos, vive com ele há 8 e que é muito feliz! Então aí o título da capa, seria:
Chamo-me Carlos!

Autoria e outros dados (tags, etc)

1_TRyOtJ6N-a7i1fskpr2Wmw.jpg

 


Esta quinta-feira e depois do stress do rigoroso exame a que o meu menino foi submetido, resolvemos ir ao cinema ver The Greatest Showman! Era um filme que despertava e muito a minha atenção e depois de ler diversas opiniões nos blogs, incluindo no da Ana, ainda mais aguçada ficou a minha curiosidade!
Com este musical entramos novamente no universo da beleza e da magia circence! P.T.Barnum, desempenhado na perfeição por Hugh Jackman, é um visionário que consegue criar um império ao produzir um espectáculo com pessoas diferentes daquilo que os demais estavam habituados! Tudo o resto que poderia contar sobre o filme iria revelar a verdadeira essência da história e não quero de todo desfraudar as expectativas de quem tenciona ir ver o filme!
Gostei da imposição feita pelo protagonista ao dar oportunidade à diferença de se fazer notar, como a Mulher Barbuda, o Homem Cão e até o Anão, desencadeando ali bastante repúdio numa época em que ser diferente era ainda tabu!
Gostei da música, conseguiram fazer com que abanasse o pé!
Gostei da totalidade do elenco, inclusivé do papel de Zac Efron na pele de Philip Carlyle e da história de amor que se desenrolou entre ele e uma artista circence vinda de uma classe social inferior!
Foi um filme que, de facto, valeu bem a pena!
No final e antes mesmo de subirem os créditos uma frase original de P.T.Barnum e que nos deixa a pensar:
"A arte mais nobre é fazer os outros felizes!"
E afinal, quem é que nunca foi feliz a assistir a um filme?!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Coisas que me fazem ficar feliz.

por Carlos, em 05.01.18

Deixei-me levar pela iniciativa lançada pela Happy (podem cuscar e perceber a dinâmica!)!
Durante o corrente ano responderei todas as sextas-feiras a uma pergunta diferente! Já percebi que não serei o único, uma forma engraçada de todos os que nos lêem, ficarem a conhecer-nos melhor!

 

52.0.JPGDesafio das 52 semanas \\ Semana 1

 

feliz-felicidade.jpg

Ao longo da vida vamos experimentado diversas situações que nos fazem ficar felizes! Umas perduram no tempo, outras duram o tempo que tinham para durar...

Sinto que não preciso de muito para me sentir feliz, inúmero algumas das situações que me deixam assim, de coração aquecido, de sorriso nos lábios ou até com um sentimento de paz enorme.
Ligado como sou à família, o convívio com a minha mãe, as minhas irmãs, as minhas sobrinhas, num jantar, num almoço, num passeio é para mim motivo de me sentir muito bem e feliz, não olhando para trás sempre que sou convidado! Isto é felicidade pura, mas também é amor!
Não sou muito de grandes saídas, muitas vezes vou por arrasto ou porque como o meu companheiro gosta, obrigo-me a acompanhá-lo. Gosto mais de ficar por casa, pés estendidos, manta nos pés e de comando na mão! É algo simples não? Mas que me dá um prazer enorme. E se for na companhia dele, não há-de ser motivo para me sentir feliz? Claro que é...
Um motivo para me rodear dos amigos, mas aqueles mesmo verdadeiros, de coração, não é motivo para me sentir feliz? Sim é...
Com eles, sorrio, abraço, canto e naqueles momentos tudo o resto deixa de interessar!
Preciso de tão pouco para me sentir feliz!
A verdade é que neste momento gostava de me sentir ainda mais feliz, com um trabalho que me completasse ou com alguns sonhos realizados, mas, uma coisa de cada vez!
E a felicidade também se encontra nos pequenos prazeres do dia-a-dia como um passeio à beira mar, assistir ao pôr-do-sol, um café numa esplanada, na chuva que bate na janela enquanto nos enroscamos nos cobertores em boa companhia, muitas vezes até num olhar de cumplicidade!
'Bora' ser feliz?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Todas as velas...

por Carlos, em 04.01.18

Lembram-se, quando recentemente partilhei convosco o meu ritual de acender velas em casa em memória dos que já partiram?
Referi também que é a eles que peço, imploro ajuda quando algo não vai bem...
Pois, nos últimos tempos acendi imensas velas e a cada uma o mesmo pedido!
É hoje o dia!
Manterei o foco até ao fim, como alguém me ensinou, com fé e esperança de que tudo não tenha passado de um valente susto!

MemorialCandle.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)


Onde fica o civismo?

por Carlos, em 03.01.18

20816368_MYLVH-001.jpg

Sei perfeitamente que nem sempre a educação em casa é a desculpa para a proliferação de pequenos (ou grandes) delinquentes que predominam por aí! Conheço até alguns jovens cuja educação foi exemplar e acabaram por se transformar em marginais autênticos!

Mas, será que todos os pais conhecem todos os vícios dos filhos? Será que tem alguma noção que os mesmos não sabem viver em sociedade? A muitos pais pedia um exercício simples, acompanhem de longe os vossos filhos nas noitadas de fim de ano e afins!
Poderão ter uma desagradável surpresa...
Como referi no post anterior, na passagem de ano rumei ao Porto pouco antes da 1 hora da manhã! Preparados para a confusão é verdade, mas nunca preparados para o que acabamos por presenciar.
No percurso que costumamos fazer, numa rua emblemática do Porto ficamos incrédulos com a capacidade do ser humano ao constatarmos que todos os baldes do lixo que estão suspensos nos postes de eliminação estavam caídos! E isto, meus amigos, durante mais de dois quilómetros. Incomodavam? Não. Mas de certeza que alguém achou não conseguir percorrer o passeio à vontade e então decidiu, achou engraçado destruir os mecanismos que nos são colocados à disposição para tornarmos a cidade mais limpa!
Será que foi apanhado em flagrante pela polícia? Duvido... E mesmo que fosse, aconteceria o quê? A justiça é branda com este tipo (e outros) de crime!
Já em plena cidade do Porto, após os festejos, o lixo! Sim, as pessoas não procuram um balde do lixo para despejar as garrafas vazias de champanhe, vodka, martini ou até os copos, e outro tipo de lixo! Mas aqui, embora não perceba a atitude, todos sabemos que pela manhã as estradas são limpas pelo piquete escalado para a função! Assim é também no São João.
Pior que isto, o cheiro nauseabundo que se faz sentir em cada recanto da cidade! O homem (a mulher às vezes também), não sabe procurar um wc público e qualquer canto é ideal para satisfazerem as necessidades! A sério meus senhores? Em casa também vão ao jardim, à sala, à cozinha urinar? Desculpas a quem me lê, por esta linguagem, mas não pode ser de outra forma! Revolta-me esta falta de higiene para com quem caminha pela cidade e procura divertir-se!
E as bebedeiras? São do caixão à cova...
Será que não conseguem divertir-se moderadamente?
Que aproveitam os bêbados das festas? Nada... E ainda estragam a noite aos amigos!
Mas enquanto isto não se passa no meu núcleo de amigos procuro não me preocupar muito, mas é muito incómodo descer as ruas da cidade e andarmos aos saltinhos para não calcar o vomitado de miúdos e adultos que não sabem beber com moderação.
A sério, não tenho filhos, mas se os tivesse iriam envergonhar-me bastante se os visse nesta situação! Era bom que esta juventude pensasse assim também.
Onde pára o civismo minha gente?
Para um mundo melhor, uma atitude positiva por favor!

Autoria e outros dados (tags, etc)


A começar o ano...

por Carlos, em 02.01.18

26055824_1954529358134369_9046831288647318194_n.pn

Ora bem vindos ao novo ano!

Entraram com o pé direito?
Eu entrei com os dois, agora qual dos dois pés deu o lanço não me lembro! 
Para nós foi mais uma passagem de ano, igual à do ano passado, à do ano anterior também, apesar que este teve um acrescento mais especial!
O jantar foi passado em casa da minha mãe, na companhia das minhas irmãs e cunhados! Apesar da euforia pela chegada das 12 badaladas,antes disso o comando da televisão foi motivo para discussão, saudável, mas a verdade é que ninguém chega a um consenso sobre qual canal devemos acompanhar a chegada do novo ano... 
Lá acabou por ganhar a maioria e a TVI fez-nos companhia com "A tua cara não me é estranha"!
Depois dos beijinhos e dos cumprimentos de ano novo, rumamos à Invicta! Uma multidão assistia ao concerto dos 'Amor Electro', ficámos por ali com uns amigos que ali haviam passado a meia noite! Pelo que presenciamos foi um concerto espectacular, com ritmo e boa música.
Sendo já da praxe, seguimos os dois para o bar Lusitano, mais virado para a comunidade LGBT, dentro do género é o mais 'adulto' que temos na cidade! Todos os outros tem um público mais estranho.
Digamos que quando lá chegamos, tínhamos uma fila enorme à porta para poder entrar e já no interior por diversas vezes nos sentimos sardinha em lata!
Tudo isto compara-se a qualquer outra noite de passagem de ano, talvez mudem alguns intervenientes, mas no fundo esta começa a ser a nossa tradição, contudo este ano tive o prazer de conhecer alguém que nos faz companhia por aqui na blogosfera e foi então com um gosto enorme que conheci o Triptofano
Pelo que me apercebi foi um filme bem complicado para chegarem ao Porto, o trânsito cortado em diversas artérias dificultou a chegada de muitos foliões, mas ao fim de mais de uma hora lá acabaram por chegar ao pé de nós. 
Conversamos e rimos sobre tudo e nada ao mesmo tempo, a música alta não ajudava nos diálogos, mas chegou para perceber que o Trip que me faz rir nos seus textos insólitos é o mesmo que estava diante mim! Com ele vinha o seu mais que tudo e mais duas amigas, muito embora tenhamos dialogado pouco, também gostei de conhecer.
É bom quando conseguimos associar a voz e a imagem a um 'personagem' que partilha diariamente connosco as suas aventuras e desventuras.
Já durante o dia falei ao telefone com a Fátima Bento, que também adorei! Percebi que o mundo dos blogs é feito de gente simpática!
Regressei a casa cansado, isto porque vestir-se a preceito para uma noitada destas tem os seus desconfortos e as calças apertavam, assim como os sapatos que já não me lembrava da última vez que os calcei! Mas também vim feliz, não só porque me diverti, como também, acabei por criar laços, de amizade! E eu gosto muito de conhecer as pessoas!
E pronto, 2018 aqui estou eu pronto para encarar todos os desafios, mas vê lá se me facilitas a vida!
E para começar, olá janeiro!

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

Ver perfil
Seguir perfil



Detalhes passados

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D



No facebook


Outros detalhes